POLICIAIS MILITARES ALMOÇAM NO CHÃO ALAGADO DO ESTÁDIO EM BELÉM

No última terça-feira (21), comemorou-se o Dia do Policial Militar (PM) e do Policial Civil. No Pará, no entanto, os servidores públicos responsáveis pela segurança da população parecem ter pouco a comemorar. Denúncias sobre o comando da PM, insegurança e até mesmo falta de condições para o trabalho são algumas das marcas negativas que mancham a corporação.
 
O retrato do descaso com que os PMs são tratados foi a situação vivida no último domingo (26), durante a preparação para o clássico entre Remo e Paysandu que decidiu o Segundo Turno do campeonato Paraense. Sem mesas e cadeiras disponíveis, os militares almoçaram no chão ou de pé, sem proteção alguma e tendo como acompanhamento não somente pequenos copos de água, mas o alagamento da área em que estavam.
A denúncia foi feita por alguns PMs ao Diário do Pará. Os denunciantes, por medo de retaliações, preferiram não se identificar. Nas imagens, é possível ver os policiais sentados no chão enquanto aguardavam o início das ações.
Em nota, a Polícia Militar transferiu a responsabilidade dos problemas à diretoria do Clube do Remo, mandante na partida e portanto responsável pelas condições aos PMs.
 
Veja a nota da PM na íntegra:
 
"A Polícia Militar do Estado do Pará, por meio de seu Comandante Geral, coronel Roberto Campos, o alto Comando da PMPA e todo seu corpo de tropa comunica sua INDIGNAÇÃO pela forma descortês e mesmo desrespeitosa como foram tratados os policiais militares que estiveram presentes hoje, por ocasião do policiamento no jogo entre Clube do Remo e Paysandu, válido pelo Campeonato Estadual de Futebol profissional 2015.
 
Prontos desde às 10h da manhã deste domingo, o efetivo que tinha direito a etapa de almoço não teve, por parte do clube mandante da partida de hoje, o Clube do Remo, o tratamento adequado. Os policiais tiveram de fazer suas refeições de pé, não sendo viabilizado sequer cadeiras nem mesas para o mínimo de conforto dos mesmos, ficando os referidos profissionais, que estavam em plena jornada de trabalho, tendo de improvisar, inclusive de pé, sua forma de alimentar-se, o que gerou uma situação constrangedora no seio da tropa, que mesmo diante de tal atitude indigna, continuou seu trabalho, garantindo a segurança até o fim de sua jornada.
 
A Polícia Militar, sempre parceira das entidades responsáveis pelo futebol no Pará, como de vários entes que trabalham a cultura em nosso Estado, ressalta que comunicará por escrito sua indignação a respeito deste caso, dentro dos meios adequados que lhe são de direito aos responsáveis por este ato de indiferença à tropa da PMPA presente no mangueirão; solicitando também, as escusas públicas a todo o efetivo presente e a adoção de medidas de responsabilização e correição para esta falha intolerável não mais possa se repetir, pois os policiais que estavam presentes na operação deste domingo, merecem o respeito de todos os paraenses, por sua condição como pessoas, como profissionais e como cidadãos e não pode esta Corporação que há quase duzentos anos serve e protege o povo paraense, calar-se diante de tal proceder reprovável."
 
Fonte: DOL

Comentários

inconsticionalidade

Se eu fizer uma festa particular e chamar a polícia pra dar segurança, vai ser legal? Claro que não. Pois é, não difere nada de jogos de campeonatos.

iincostitucionalidade

É inadmissível que eventos particulares com fins lucrativos sejam usados braços do estado para segurança. Remo, País sanduíche e FPF, que contratem segurança particular. Caso como esse caracteriza desvio de função.

Novo comentário

 

        

 

Newsletter

Assine a nossa newsletter: