TIM MAIA E SUA MÁ INFLUÊNCIA

Inversão total de valores, é isso que acontece com a exibição de certos dramas, melodramas e séries da Rede Globo, invés de mostrar ícones sagarados da história, ilustres senhores e senhoras que realmente dão orgulho a este País e servem de lição para nosso filhos, vem num detestável melodrama deusificar um indívíduo como Tim Maia, em que pese ter sido um excelente cantor e compositor, um poeta verdadeiro e admirável trocou seus créditos por toneladas de mazelas, o uso indiscriminado de alcool, drogas de todas as espécies, tinha o péssimo habito de aplaudir o errado, fazia verdadeiro culto ao exagero em tudo: comida, bebidas, escândalo e cafagestagem. Era um picareta completo pois fazia contratos para shows e não comparecia por causa da droga e também não devolvia o dinheiro, dava calote em todo mundo. Fez tudo o que não devia e não teve nenhum cuidado em esconder nada, fazia questão de  propagar suas prezepadas, era um modelo de anarquista bandido, totalmente reprovável, tinha um jeito cretino de pedir desculpas ao público por atrasar o show em uma, duas e até três horas dizendo: "desculpa moçada, o atrazinho, eu tava fazendo triatlon: fumando, cheirando e bebendo" e agora se torna ídolatrado mais uma vez numa farsa mal feita da Rede Globo. Veja denúncia de um importante veículo de comunicação do Brasil.

Tim Maia era um gênio complexo e contraditório. “Preto, gordo e cafajeste”, como ele se definia. Mas o que estão fazendo com sua biografia é caso de polícia.
 
A Globo transformou um filme lançado no final de 2014 num docudrama — mistura de ficção e documentário — em dois capítulos. Desfigurou tudo. Incluiu depoimentos de artistas, cortou cenas, alterou a ordem de acontecimentos.
 
Aproveitou para limpar a barra de Roberto Carlos. No longa, que é inspirado no livro de Nelson Motta, Tim é esnobado por Roberto até conseguir uma reunião por insistência da mulher de RC, Nice, em que Roberto acaba topando gravar “Não Vou Ficar”.
 
Os dois eram amigos da Tijuca no fim dos anos 50 e fizeram parte de um grupo vocal chamado Sputniks. Quando a Jovem Guarda estourou, Tim havia voltado dos EUA quebrado. Procurou Roberto em busca de uma chance no programa. Foram meses de batalha, eventualmente humilhantes.
 
Nelson narra algumas dessas histórias no livro. Na biografia censurada de RC, Paulo César de Araújo ainda lembra uma ocasião em que Roberto, na saída do Teatro Record, manda seu empresário dar dinheiro para “Tião”. A grana foi amassada como uma bola e atirada em sua direção. “Eu tive um acesso de choro na hora”, afirmou Tim.
 
Essa luta está no cinema. Na TV, porém, Roberto surge dizendo que ajudou, sim, o cantor, e por vontade própria, não de Nice (nem a pobre Nice, morte em 1990, pode se defender). Na pele do ator Babu Santana, Tim Maia dá um depoimento: “Foi assim que Roberto Carlos lançou o gordo mais querido do Brasil”. Você consegue imaginar essa frase idiota na boca de Xuxa, mas não na de Tim Maia.
 
O diretor Mauro Lima criticou a adaptação no Instagram, sugerindo que ninguém assistisse o “subproduto”. A emissora declara ter realizado uma “recriação”. Nelson Motta, como era de se esperar, não falou nada e não vai falar.
 
Há muitas pontas que não fecham. Como um diretor permite que seu trabalho seja mutilado em nome de ficar mais “didático”? Se autorizou, reclama do quê? Estava no pacote da Globofilmes uma versão televisiva tabajara? Quem está ganhando com toda essa falsificação? Se fosse o contrário — uma telebiografia de Roberto Carlos com um papel, digamos, controvertido de Tim Maia, Tim seria chamado para dar um tapa?
 
Agora, não é apenas a relação com Roberto que era complicada. Tim Maia vivia às turras com a Globo. Processou a emissora por direitos autorais algumas vezes. Deu uma longa e divertidíssima entrevista ao Jô sobre isso (no SBT, evidentemente).
 
Foram décadas de confusões legais. Não é nota de rodapé. Mesmo sendo muito cuidadoso, Nelson Motta incluiu diversas passagens a esse respeito em seu best seller. Em 1993, numa trégua jurídica, Tim deu um cano no Faustão. “Na segunda-feira, a vice-presidência de operações da Rede Globo enviou um memorando a todas as centrais vetando a participação de Tim Maia em programas da emissora”, escreve.
 
Tim era louco, mas não era burro. Descontente com a capa de um disco, quebrou a sala do diretor artístico da Philips, avisando a secretária que deixou uma “lembrancinha”. Montou sua gravadora, a Seroma, para ter o controle sobre sua obra.
 
Foi um dos primeiros artistas independentes do país, numa época em que isso simplesmente não existia. As composições eram registradas na editora, a distribuição dos discos terceirizada. Ganhou dinheiro — gastou muito dinheiro.
 
Nunca escondeu suas excentricidades em entrevistas antológicas. Mas não era um inocente útil, um trouxa, um junkie burro. Suas brigas com a Globo são parte fundamental de sua vida. Morto, a emissora faz o que ele nunca permitiu: apropriou-se de Tim Maia. Roberto Carlos é apenas mais um detalhe feio nesse vale tudo.
Fonte: diariodocentrodomundo

Comentários

Fique calado

Aproveite o tempo livre para se calar. Não gosta dele, não ouça. Não o admira, fique quieto. Não desperdice seu tempo cuidando da vida alheia. Espero não ler mais nada que você escreve, passar bem. Tim Maia foi um monstro.

Brindemos

A ele, tim tim!

Tim maia

Tim maia é foda gênios são desajustados!

Tim maia

Acho que opinião é opinião o texto escrito aqui é um ponto de vistá do autor cada um se expressa como acha que devê concordo e acho que tim era bem pior do que tudo isso o que o amigo expresso mas tim maia é tim maia existe muitos como tim maia no mundo cada um em um tipo de vida muitos tims nas ruas artistas ou não artistas apenas tim Sou um desses próspero amável e as vezes rude mas acima de tudo sei brigar sei pedir desculpas e fazer a vida continuar passar por essa vida sem errar acertar pedir desculpa não seria nada legal ter vivido e ter conhecido tim maia foi muito bom enterpretem o texto como quiserem mais o certinho sempre foi um verdadeiro saco viva o louco viva tim maia minha opinião respeitando todas as outras aqui

cuida da sua vida

A vida era dele . cada um morre do jeito que quer.

kkkk

Aqui deixo meu grande vai tomar no cu

EXAGERO

Esse texto nem deve ser teu, vou nem comentar.

Novo comentário

 

        

 

Newsletter

Assine a nossa newsletter: